A Invenção de Morel — Adolfo Bioy Casares

A ideia da sua vida se repetindo inúmeras vezes é incômoda para você? O filósofo alemão Nietzsche imaginou essa cena da seguinte forma: um anjo/demônio surge e lhe anuncia que sua vida, exatamente como ela aconteceu até aquele momento, irá se repetir ad infinitum com todos os percalços, acertos e erros, felicidades e tristezas. Você teria coragem de encarar sua existência, da exata forma que ela tem hoje, eternamente?

Outro pensador que ocupou-se com isso de pensar o real e a vida, a existência como projeção de algo que ela pode não ser foi o grego Platão que formulou a ideia do mundo ideal — ou mundo das ideias —, onde tudo que vemos aqui existe de forma perfeita e plena em outro lugar. Esse mundo onde vemos e tocamos as coisas, ele é apenas uma cópia mal formulada do mundo ideal, é uma versão deformada dessa realidade perfeita. A grosso modo seria como se morássemos numa Matrix programada para emular uma realidade que não é em si, é somente uma cópia. Uma cópia sem originalidade — com os riscos que podemos adotar em pensar o que diabos é algo original. Continuar a ler

Nossas Noites – Kent Haruf

A imagem do amor, do poder amar, da intensidade da paixão, é sempre uma imagem jovem. No enaltecimento eterno da eterna juventude, congelamos o amor nessa jovial figura. Quando crianças, não temos idade para compreender a complexidade que é esse sentimento, quando velhos, pensamos que já estamos nas últimas linhas do nosso caderno e não nos preocuparemos com mais nada que não seja sobreviver a mais um dia. Anulamos a terceira parte da vida, como se ela fosse apenas um acréscimo e não uma das mais fundamentais etapas da existência.

Pensar o amor na velhice costuma ser um exercício nostálgico, apenas de rememorar bons relacionamentos vividos ao longo do tempo. Parece não haver espaço para algo novo, uma repentina vivência da descoberta. Mas há, e o escritor norte-americano Kent Haruf — morto em 2014 — mostra-nos isso magistralmente no seu último trabalho, o romance Nossas Noites publicado pela Companhia das Letras na tradução de Sonia Moreira. Continuar a ler

Cenas Londrinas — Virginia Woolf

Virginia Woolf como guia turística. É a sensação que se tem ao ler esse seu Cenas Londrinas, publicado no Brasil pela José Olympio na tradução de Myriam Carvalho. Esse conjunto de pequenos ensaios sobre Londres é o retrato do amor de Woolf pela capital da Inglaterra — que já se demonstra quando a cidade é cenário de algumas das suas maiores obras ficcionais.

O lançamento se dá pela descoberta da crônica que fecha o ciclo das The London Scene, e que é o último texto da coletânea. Escritos entre os anos de 1931 e 1932, as cenas de londres são rápidos textos que descrevem os passeios de Virginia Woolf por Londres. O olhar da autora é fotográfico e cada texto guarda texturas únicas de como Woolf percebia aquela cidade inglesa do começo do século passado. Continuar a ler

A Beleza é Uma Ferida – Eka Kurniawan

Eka Kurniawan é um escritor indonésio que tem conseguido romper as fronteiras da sua língua e do seu país. Foi o primeiro indonésio a concorrer o Man Booker International Prize. Seu trabalho mais famoso,  A Beleza é Uma Ferida chega enfim em terras tupiniquins e é o primeiro romance indonésio a ser publicado no Brasil. A tradução foi indireta, veio do inglês — The Beauty Is a Wound — e foi feita por Clóvis Marques para o selo José Olympio.

Comparações são sempre perigosas, porque elas exigem bom tino de percepção, de intersseção e muitas vezes ela falham em perceber nuances mais tangentes entre as obras comparadas e se tornam apenas tentativas de fazer uma obra brilhar com a luz da outra. A Beleza é Uma Ferida tem sido comparada, erroneamente, com Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquéz. Há pontos que se encontram, mas as obras estão em pólos narrativos distintos e se calcam em sustentações alegóricas completamente divergentes. Continuar a ler

A Filha Perdida – Elena Ferrante

A maternidade talvez seja o mais avassalador dos elementos social de desestruturação de um indivíduo, de supressão do que lhe constitui. Aos moldes da compreensão sedimentada do que é ser mãe, na sua base, está a anulação. Nisso se fundamenta a ideia de que, após dar a luz, a mulher passa a ser uma função e não mais uma pessoa. Refletir, sem as amarras românticas, sobre a maternidade configura-se num desafio colossal, independente de qual ponto de vista você parta para chegar às suas conclusões.

A escritora italiana Elena Ferrante tem, com a sua obra, posicionado o feminino em perspectiva bastante realistas. É a partir das suas reflexões ficcionalizadas, que tem dado voz aos mais subcutâneos pensamentos e desejos do feminino. Não é exagero afirmar que, na literatura contemporânea, Ferrante é responsável por um novo viço narrativo e por dar às personagens femininas muito mais força que em décadas passadas. E isso não é diferente nesse A filha perdida na tradução de Marcello Lino, publicado no Brasil pela Intrínseca. Continuar a ler