A Invenção de Morel — Adolfo Bioy Casares

A ideia da sua vida se repetindo inúmeras vezes é incômoda para você? O filósofo alemão Nietzsche imaginou essa cena da seguinte forma: um anjo/demônio surge e lhe anuncia que sua vida, exatamente como ela aconteceu até aquele momento, irá se repetir ad infinitum com todos os percalços, acertos e erros, felicidades e tristezas. Você teria coragem de encarar sua existência, da exata forma que ela tem hoje, eternamente?

Outro pensador que ocupou-se com isso de pensar o real e a vida, a existência como projeção de algo que ela pode não ser foi o grego Platão que formulou a ideia do mundo ideal — ou mundo das ideias —, onde tudo que vemos aqui existe de forma perfeita e plena em outro lugar. Esse mundo onde vemos e tocamos as coisas, ele é apenas uma cópia mal formulada do mundo ideal, é uma versão deformada dessa realidade perfeita. A grosso modo seria como se morássemos numa Matrix programada para emular uma realidade que não é em si, é somente uma cópia. Uma cópia sem originalidade — com os riscos que podemos adotar em pensar o que diabos é algo original. Continuar a ler